sábado, 25 de abril de 2009

Intervalos



Estou cativa numa sensibilidade inerente,esqueço-me aqui enquanto em algum lugar o pensamento procura resgatar forças para "deixar"...

Sobre os degraus da escada do meu quintal deleito-me em meus pensamentos libertos em torno de pedaços de tempo de vida.Tempo....constituido por seus acontecimentos ocorridos um após o outro,também constituído pelo intervalo da separação dos dois acontecimentos,pela
quantidade desse intervalo, a duração.
Definição óbvia,forte,posso então fazer meu tempo?Diminuir o intervalo do acontecimento?Como está então o tempo que estava antes do intervalo?Absorvo dia após dia o passado em meus olhos,enquanto meu olhar o prende no presente mas dentro algo pede para liberta-lo.
Tempo sobre tempo,tem sido longo o presente preso sobre o passado,passe então,gire seus ponteiros,retire seus pontos e virgulas.Retomando a razão,a força fraca vem do silêncio,sem palavras não há fases,somente absorção do futuro que passou e que passa pelo presente agora,conduzindo-me lentamente com seus intervalos ao futuro,antes,agora e depois....

Um comentário:

iilógico disse...

seu texto é denso...

"a força fraca vem do silêncio" ... é lindo isto... parece uma pilha que guardo na gaveta e esqueço ela lá...e lembro dela quando preciso de ligar a lanterna, um rádio...